28.06.2017

Assine Raul Marcelo

Raul Marcelo

“Oh hô, ah há, escola não vai fechar”

11/19/2015


Com esse grito de guerra, cerca de mil estudantes de várias escolas de Sorocaba percorreram, na manhã desta quinta-feira, 19, as ruas da cidade, em manifestação contra a “reorganização” escolar que implicará no fechamento de cinco escolas.
A mobilização envolve alunos, pais, professores e outros funcionários do sistema público de educação estadual, além de representantes do sindicato dos professores (Apeoesp) e coletivos populares.

 

O protesto teve início na Zona Norte da cidade, onde está localizada a Escola Estadual Lauro Sanches, ocupada desde a noite dessa quarta-feira, 18. De lá, os estudantes seguiram até o centro, prestaram solidariedade à Escola Estadual Antônio Padilha, destinada a perder as classes de Ensino Fundamental e, em seguida, ocuparam a Diretoria Regional de Ensino, órgão responsável pela gestão da rede estadual na cidade.

 

O deputado estadual Raul Marcelo acompanhou a trajetória a partir do centro da cidade e declarou “total solidariedade e apoio aos estudantes que estão organizando as manifestações contra a reorganização escolar”.

Raul Marcelo apresenta Moção de Aplauso à juiz por suspensão de reintegração de posse em escola ocupada

11/17/2015


 

Nesta terça-feira, 17, o deputado estadual Raul Marcelo apresentou uma Moção de Aplauso ao Juiz de Direito, Luis Felipe Ferrari Bedendi, que suspendeu o cumprimento da liminar de reintegração de posse movida pela Fazenda Pública do Estado de São Paulo contra a o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), pela ocupação da Escola Estadual Fernão Dias Paes, em Pinheiros, zona oeste da capital. Um grupo de alunos ocupa o local desde a terça-feira, 10, contra o projeto de reorganização escolar de Geraldo Alckmin.

 

De acordo com a referida decisão, “o cerne desta lide possessória não é a proteção da posse, mas uma questão de política pública”, já que, de fato, as ocupações têm “caráter eminentemente protestante”, inclusive ponderando o fato de que a maior parcela dos ocupantes é formada por crianças e adolescentes, com direitos especiais assegurados pelo E.C.A.

 

Para Raul, a decisão contribui significativamente para o amadurecimento do regime democrático brasileiro, contando com o direito fundamental de livre reunião e manifestação.  Segundo o deputado, “a decisão judicial materializa não apenas os princípios da Carta Política de 1988, mas também os objetivos do Estado democrático de direito, notadamente o da construção de uma sociedade livre, justa e solidária”.

Deputado estadual Raul Marcelo participa de manifestação contra reorganização escolar, em Sorocaba

11/09/2015


 

Na manhã desta segunda-feira, 09, o deputado estadual Raul Marcelo participou de uma manifestação contra a reorganização escolar, organizada pelo sindicato dos professores, APEOESP. A mobilização teve início na Praça Frei Baraúna e seguiu pelas ruas do centro da cidade até a diretoria de Ensino, onde os representantes dos estudantes, professores e entidades expressaram seu desagrado através do carro de som, faixas e cartazes, instrumentos musicais que carregaram e gritos de guerra.

 

Durante o ato, Raul Marcelo manifestou sua solidariedade. “Todas as medidas do ponto de vista parlamentar e institucional já foram tomadas, agora, só nos resta a mobilização social para demover o atual secretário e o atual governador deste posicionamento retrógrado. São 94 escolas na eminência de fechar. É de conhecimento geral que uma sala de aula de ensino médio deve ter no máximo 25 alunos. Portanto, é chegado o momento de reduzirmos o número de alunos em sala de aula, não de aumentar”.

 

Segundo a coordenadora da Apeoesp Sorocaba, Magda Souza, das cinco escolas que serão fechadas em Sorocaba, três estão na Zona Norte, região que mais cresce na cidade. “Para a educação pública ter mais qualidade é necessário que haja investimento, não fechamento de salas de aula”.

 

Inconformados com a situação, os estudantes presentes reclamaram: “Estamos nos sentindo mal porque temos muitos amigos na escola e vão nos separar, conta Felipe Deodato, 14 anos, da Escola Estadual Mario Guilherme Notari, uma das presentes na lista anunciada pelo governo Alckmin. Gabrielle Camargo, 17 anos, da E.E. Elza Salvestro Bonilha, queixou-se da previsão de superlotação das salas “é pouca escola para muita gente”. A colega de classe, Gabrielle Dias, 16, reforçou: “soube que hoje são 23 escolas com Ensino Médio, de agora em diante, serão 9”.

 

Marisol Mendes de Moraes, professora da E.E. Mario Guilherme Notaria há mais de 20 anos, explicou que a clientela precisa muito da escola funcionando no local onde está. A escola para onde os estudantes serão transferidos fica há 3 quilômetros e “nós atendemos diversos bairros”. “Nós não aceitamos a municipalização, nos sentimos muito surpresos porque recebemos a notícia pela mídia. Por mais que digam que houve conversa, não houve diálogo nenhum”, lamenta.

 

Maria de Fátima Melo Moreira, diretora do Sindicato dos Funcionários e Servidores da Educação do Estado de São Paulo (Afuse), recevela o clima de insegurança instaurado entre os servidores “Muitos funcionários escolheram a escola por ser perto de sua casa e, agora, muitos com mais de vinte anos de trabalho, quase se aposentando, precisarão ir para outro lugar. Não sabemos para onde nem de que forma será. O que foi estabelecido ainda não foi passado para nós”.

Página 20 de 25« Primeira...10...1819202122...Última »

Vídeos

ver mais